Riscos do sedentarismo: quais são e como evitá-los?

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

O estilo de vida sedentário está se tornando um grande problema de saúde pública, ainda mais em tempos de pandemia. Para se ter ideia, o sedentarismo é considerado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como o quarto maior fator de risco para mortes do mundo.

Assustador, não é mesmo?

Mas o que significa “ser sedentário”? 

É levar um estilo de vida lento, inativo. Se você passa grande parte do dia sentado(a), pratica pouco ou nenhum exercício físico e dorme bastante, acredite: você é sedentário.

No Brasil e em todo o mundo, na verdade, as pessoas estão se rendendo cada vez mais ao sedentarismo. Afinal, as opções para preenchermos nossos momentos de lazer, apesar de vastas, estão muito ligadas à tecnologia como, por exemplo, ficar um tempo no computador, mexer no celular ou jogar vídeo-game.

Agora, some tudo isso a um trabalho que exige um baita “chá de cadeiras” durante o dia, e ainda ao fato de que a maioria das formas de locomoção até ele envolvem carros, ônibus, metrôs, entre outros.

Complicado, né? O grande problema disso tudo é que um dia-a-dia sem o mínimo de exercícios físicos pode provocar diversos danos à saúde como obesidade, doenças cardíacas e até mesmo alguns tipos de câncer.

Pensando nisso, preparamos um artigo com os principais riscos do sedentarismo e o que podemos fazer para evitá-los. Vamos lá?

Como um estilo de vida sedentário afeta o nosso corpo?

O primeiro passo para entendermos os riscos do sedentarismo é saber o que ele provoca em nosso corpo e organismo. Então, se o seu dia-a-dia é pouco ativo,

  • Você queima menos calorias, aumentando os riscos para ganho de peso e até mesmo obesidade;
  • Você perde força e resistência muscular, afinal, não está se exercitando da forma como deveria;
  • Você gasta menos energia, o que pode afetar o metabolismo e contribuir para quadros como diabetes, colesterol alto, hipertensão, entre outros;
  • Os riscos para depressão, ansiedade e estresse são maiores, já que você gasta pouca energia e, consequentemente, produz menos substâncias essenciais para a saúde emocional como a endorfina, por exemplo.

E quais são, então, os principais riscos do sedentarismo?

Como você pôde ver, um estilo de vida inativo é capaz de levar a uma série de problemas e, junto a eles, contribuir para o desenvolvimento de doenças graves. As mais comuns são:

Como evitar os riscos do sedentarismo? 

A resposta é simples: tenha uma vida mais ativa. O jeito mais fácil de conseguir isso, como você já deve imaginar, é praticar qualquer tipo de exercício físico por, pelo menos, meia hora por dia.

São alguns exemplos:

  • Caminhada, corrida ou ciclismo (excelentes para o coração);
  • Natação (uma ótima alternativa para quem precisa se exercitar sem sofrer muito impacto);
  • Musculação, yoga e pilates (para quem deseja fortalecer os músculos);
  • Esportes, dança ou artes marciais (ótimos para pessoas que não gostam de exercícios com rotinas repetitivas).

Antes de escolher uma atividade, no entanto, consulte um médico e marque uma avaliação física para ter certeza de que seu corpo está apto àquele tipo de exercício, combinado?

E como se manter mais ativo?

Suponhamos que você não tenha tempo para fazer exercícios físicos ou, por qualquer outro motivo que seja, não pode recorrer a eles. Saiba que existem outras formas de se manter mais ativo durante o dia. Veja alguns exemplos:

  • Prefira as escadas ao elevador;
  • Vá andando ou pedalando até o trabalho;
  • Caminhe um pouco durante o horário de almoço;
  • Levante-se da cadeira a cada 30 minutos e alongue o corpo (se preciso, programe um alarme para não se esquecer dessas pausas);
  • Reserve mais tempo para fazer algumas tarefas como limpar a casa, cuidar do jardim, andar com o cachorro, entre outros.

Sem desculpas! 

Viu como manter um estilo de vida mais ativo não é um bicho de sete cabeças? No mais, lembre-se: nunca subestime os riscos do sedentarismo. Muitos deles são silenciosos no começo.

Cuide-se e até a próxima!

 

Texto: Leo Cirino | Clínico Geral | CRM-MG:21221

Leia também:

Siga nossas redes sociais: