Como a alimentação ajuda na prevenção do câncer?

Uma coisa é certa: existem alguns fatores de risco para o câncer que, infelizmente, estão fora do nosso controle. São alguns exemplos: 

  • genética; 
  • histórico de saúde pessoal (principalmente se a pessoa já teve essa doença);
  • exposição a certos fatores como substâncias cancerígenas e radiação (em circunstâncias que é impossível evitá-los, claro).  


Porém, a boa notícia é que, mesmo assim, é possível evitar essa doença, ou pelo menos dificultar o terreno para ela, por meio de algumas mudanças no estilo de vida. São as principais: evitar cigarros, limitar o consumo de álcool, praticar exercícios físicos e adotar uma dieta saudável. 

Hoje, resolvemos conversar um pouco mais sobre o último fator dos exemplos acima, que é a alimentação. Vamos lá?

Afinal: a alimentação é capaz de ajudar na prevenção do câncer?

A resposta é sim, com certeza! Você por acaso já ouviu uma frase famosa, principalmente entre os mais velhos, que diz que “nós somos aquilo que comemos”? Bem, essa afirmativa só não está correta, como precisa ser levada a sério. 

Ocorre que absolutamente TUDO o que consumimos (ou deixamos de consumir) costuma ter um efeito poderoso em nossa saúde, incluindo a capacidade de se curar, evitar, ou favorecer uma série de doenças, inclusive o câncer. 

Para se ter ideia, existe um projeto realizado pelo World Cancer Research Fund e o American Institute for Cancer Research que, desde 1997, comprova uma série de fatores de risco para essa doença. Intitulado de CUP (Continuous Update Project), esse estudo já concluiu que:

  • uma dieta rica em carnes processadas facilita o desenvolvimento de câncer colorretal;
  • o excesso de lactose pode ocasionar o câncer de próstata;
  • a falta de frutas na alimentação aumenta os riscos para câncer colorretal e de estômago. 

 

O que fazer, então, para prevenir o câncer ao máximo por meio da alimentação? 

O primeiro passo para diminuir o risco de muitos tipos de câncer (bem como de outras doenças graves), é fazer uma dieta rica e centralizada em alimentos que:

  • são antioxidantes, pois estimulam o sistema imunológico e ajudam-no a proteger nosso organismo contra as células cancerosas;
  • contêm carotenoides, que reduzem o risco para cânceres de pulmão, boca e laringe;
  • têm pouco amido que, por sua vez, aumenta os riscos para cânceres de estomago e esôfago;
  • são ricos em vitamina C, muito poderosa contra o câncer de esôfago;
  • são ricos em licopeno, pois diminuem as chances para o câncer de próstata;
  • possuem bastante fibra, pois estimulam a produção de substâncias anti-inflamatórias no organismo e previnem o câncer de cólon. 
São exemplos de alimentos ricos em:
antioxidantescarotenoidesvitamina Clicopenofibras
Linhaça, alho, morango, noz, cúrcuma, cacau, batata doce, salmão, brócolis, tomate.Abóbora, beterraba, mamão papaia, manga, espinafre, cenoura, melão, couve, espinafre.Acerola, pimentão amarelo, caju, morango, kiwi, abacaxi, tangerina, limão, laranja.Goiaba vermelha, melancia, mamão, tomate, pitanga e algas.Aveia, morango, maçã, pera, pêssego, feijão, ervilha, lentilha, folhas verde-escuras.

Alimentação saudável: quais são seus 12 princípios?

Menções honrosas

Nunca subestime o poder dos seguintes micronutrientes e fitoquímicos na prevenção do câncer:

  • ditioltiona e isotiocianato: encontrados em vegetais como repolho, brócolis, couve etc;
  • flavonoides: presentes no mirtilo, na maçã, no chocolate, na canela etc; 
  • resveratrol: você pode encontrá-lo nas sementes e películas da uva, na pele do amendoim etc.

 

São outras dicas valiosas: 

  1. Escolha gorduras saudáveis 

Atenção: cuidado para não se confundir! Ter uma dieta rica em gorduras trans, saturadas e hidrogenadas, encontradas em alimentos industrializados, massas, frituras e doces, por exemplo,  aumenta o risco para muitos tipos de câncer. 

Porém, quando falamos em tipos saudáveis ​​de gordura, a história muda. Afinal, elas podem realmente proteger nosso organismo contra o câncer. Adicione mais gorduras insaturadas na dieta como, por exemplo, peixes, azeite, nozes e abacates. 

Explore, também, os alimentos que possuem ômega-3 em sua composição, como salmão, atum e linhaça. Ele é importante porque é capaz de combater a inflamação e apoiar a saúde do cérebro e do coração.

  1. Reduza o açúcar e os carboidratos simples

O consumo de carboidratos simples, que causam picos de açúcar e insulina no sangue tem sido associado a um maior risco para câncer de próstata, bem como de outros problemas graves de saúde.

Em vez de refrigerantes açucarados, cereais adoçados, pão branco, massas e alimentos processados, opte por grãos integrais não refinados como pão multigrãos, arroz integral, quinoa, aveia e vegetais sem amido. 

Tudo isso pode diminuir o risco de câncer colorretal e de próstata, além de nos ajudar a atingir e manter um peso saudável.

  1. Limite o consumo de carne vermelha e processada 

Existem diversos estudos, principalmente aquele que citamos anteriormente (CUP), que estabeleceram uma ligação entre o risco de câncer e o consumo de carne processada como, por exemplo, bacon, salsichas, cachorro-quente, pepperoni e salame. 

A título de curiosidade, saiba que comer cerca de 50 gramas por dia de carne processada aumenta o risco de câncer colorretal em 20%. Isso pode ser devido aos conservantes de nitrato ou outras substâncias usadas no processamento da carne, embora os fatores de risco para câncer também aumentem com a ingestão de carne puramente vermelha. 

A estratégia mais segura, então, é limitar a quantidade de carne processada que você consome e variar sua dieta buscando outras fontes de proteína, como peixe, frango, ovos, nozes e soja, em vez de depender apenas da carne vermelha.

 

Cuidados com o preparo: o que você precisa saber? 

A escolha de alimentos saudáveis ​​não é o único fator importante na prevenção do câncer. Também importa como você prepara, armazena e cozinha sua comida.

Procure comer pelo menos algumas frutas e vegetais crus, pois eles tendem a ser mais ricos em vitaminas e minerais. Ao cozinhar vegetais, faça o processo apenas no vapor e até ficarem macios, pois essa é a melhor forma de preservar seus nutrientes. 

Por fim, ainda há solução para quando você cozinhar demais os vegetais. Basta utilizar a água do cozimento em uma sopa, molho ou para cozinhar outras coisas. 

No mais, lembre-se de higienizar todas as frutas, vegetais e leguminosas antes de prepará-las. 

 

Como reduzir sua exposição a agentes cancerígenos?

Não cozinhe óleos em fogo alto, e prefira sempre assar, ferver, cozinhar ou grelhar alguma comida, ao invés de fritá-la. 

Armazene os óleos em um local fresco e escuro, e em recipientes herméticos, pois eles se tornam rançosos quando expostos ao calor, luz e ar.

Evite alimentos que tenham aparência ou cheiro de mofo, pois provavelmente contêm aflatoxina, um forte carcinógeno mais comumente encontrado em amendoins mofados. As nozes ficarão frescas por mais tempo se forem mantidas na geladeira ou no freezer.

Cuidado com o que põe no microondas. Use papel manteiga em vez de filme plástico para cobrir a comida no microondas. Importante: sempre use recipientes próprios para micro-ondas.

Para saber quais panelas escolher para o preparo dos seus alimentos, clique aqui!

 

No mais… 

Apesar de não ser um fator extremamente determinante, a alimentação, definitivamente, pode contribuir para a prevenção do câncer e, claro, de outras doenças igualmente graves. 

Em caso de dúvidas, não hesite em procurar pela ajuda de um nutricionista ou nutrólogo para que vocês, juntos, possam montar uma dieta incrível para o seu caso, combinado?

Cuide-se, e até a próxima!

 

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Leia também:

Siga nossas redes sociais: