Diabetes Mellitus: Sintomas e Tratamento

diabetes

Dia Mundial do Diabetes

Dia 14 de novembro é o Dia Mundial da Diabetes. Por isso, primeiramente é importante lembrar que esta data foi criada pela Federação Internacional de Diabetes, juntamente com a OMS (Organização Mundial de Saúde), afim de chamar a atenção da sociedade para esta doença que cresce cada dia mais em todo o mundo.

Mas, o que é Diabetes?

A Diabetes Mellitus é uma doença crônica caracterizada pelo excesso de glicose (ou seja, açúcar) no sangue e na urina. Dessa forma, a pessoa se torna diabética quando o seu pâncreas deixa de produzir ou reduz a produção de insulina (hormônio responsável por transformar a glicose em energia para o corpo), ou ainda quando a insulina produzida não é capaz de agir de maneira adequada.

Atualmente, a Diabetes é certamente uma das doenças crônicas não transmissíveis mais comuns no mundo. Mas, ainda assim, é considerada uma doença invisível pois na maioria das vezes os sintomas aparecem somente em estágios mais avançados através de complicações cardiovasculares. Por este motivo, é fundamental um acompanhamento médico anual para monitorar a glicemia mesmo sem nenhuma manifestação dos sintomas e/ou fatores de risco para a doença.

Fatores de Risco

  • Ter pais e/ou irmãos portadores da doença
  • Obesidade e Sobrepeso
  • Sedentarismo
  • Hábitos alimentares inadequados
  • Pressão alta
  • Colesterol alto

Sintomas da Diabetes Mellitus

perda de peso

Emagrecimento repentino sem motivo aparente;

cansaço

Cansaço em excesso;

vontade frequente de urinar

Vontade frequente de urinar;

dificuldade de cicatrização

Dificuldade de cicatrização;

sede intensa

Sede intensa;

dores nas pernas

Dores nas pernas;

infecções frequentes

Infecções repetidas.

Então, quais são as possíveis complicações?

Também é importante lembrar que, como toda doença, a Diabetes Mellitus não controlada pode conseqüentemente gerar diversas complicações. Além dos problemas cardiovasculares, também pode causar outros danos como:

problemas cardiovasculares

Problemas cardiovasculares.

dores nos membros inferiores

Neuropatia diabética (dores contínuas, além de formigamento e falta de sensibilidade nos membros inferiores).

rins

Nefropatia (sobrecarga renal associada à danos nas células dos rins).

perda da visão

Retinopatia (edema na retina que pode consequentemente levar à perda total ou parcial da visão).

pé diabético

Outro problema grave associado à doença é o pé diabético, caracterizado por uma infecção com feridas no pé, podendo levar até a amputação do membro.

Mas, apesar disso, a boa noticia é que mantendo a doença estabilizada e o estilo de vida saudável, todos os pacientes diabéticos conseguem ter uma vida normal.

E como é o tratamento?

Portanto, logo após o diagnóstico, a disciplina e mudança no estilo de vida são fundamentais para o controle da doença. E independente do tipo de Diabetes Mellitus que a pessoa tenha (ou o tipo I ou tipo II), o primeiro passo é a mudança no estilo de vida, com a adoção de uma alimentação saudável associada à prática regular de exercícios físicos. Além disso, na grande maioria dos casos, a intervenção medicamentosa e o uso de insulina também são necessários para o controle da doença.

Enfim, quem tem diabetes pode sim ter uma vida normal. Então, quer saber como melhorar seus hábitos e controlar sua glicose?!

Confira as nossas 5 Dicas para você viver melhor com Diabetes

Embora seja uma doença que não tem cura, a Diabetes tem prevenção e controle. Portanto, veja nossas dicas e saiba como viver melhor e manter sua glicose sob controle.

Texto: Centro de Atenção à Saúde Promed

Fontes: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia | Sociedade Brasileira de Diabetes | Centro Especializado em Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz

Siga nossas redes sociais: