10 motivos para amamentar

amamentar

O nascimento de um filho é um momento que emociona, mas também gera muitas preocupações com os cuidados necessários para que ele cresça forte e saudável. E a melhor proteção para o bebê é a amamentação, que é recomendada até os 2 anos de idade. Mais do que nutrir uma criança, amamentar é um ato de amor que oferece inúmeros benefícios para a saúde da mãe e do bebê.

Confira os 10 motivos para amamentar:

1

O leite materno é um alimento completo

Ele contém todos os nutrientes, proteínas, açúcares, gorduras e vitaminas que o neném necessita para crescer e desenvolver com saúde.
Segundo o Ministério da Saúde, qualquer criança deve se alimentar apenas do leite materno nos 6 primeiros meses de vida, não precisando comer ou beber mais nada (nem mesmo água ou chás). Da mesma forma, a OMS (Organização Mundial da Saúde) aconselha que apenas depois de passados os 6 primeiros meses de vida sejam inseridos na alimentação da criança papinhas de frutas e de legumes. Mas não é necessário interromper a amamentação, que pode e deve ser continuada até os 2 anos de idade.

2

Ajuda o bebê a manter o peso adequado.

O leite materno possui todos os nutrientes necessários para o sustento e crescimento saudável do bebê.

3

O leite materno sempre estará disponível quando o bebê estiver com fome

O leite materno sempre estará disponível quando o bebê estiver com fome, sem importar o lugar e a hora, na temperatura ideal e sem risco de contaminação. É importante evitar usar a mamadeira, pois faz com que o bebê desaprenda a mamar no peito, diminuindo o estímulo de produção do leite materno e sua disponibilidade na quantidade necessária ao bebê.

4

Favorece o desenvolvimento dos dentes, fala, respiração, mastigação e deglutição

O movimento de amamentação é excelente para a dentição e para a fala do bebê. Estimula o desenvolvimento dos ossos do crânio e da face e favorecem o encaixe dos dentes de forma adequada. Amamentar também promove estímulos favoráveis ao desenvolvimento da musculatura da boca e da face, o que futuramente irá refletir na respiração, fala, mastigação e deglutição da criança.

5

Fortalece o sistema imunológico

Um dos maiores benefícios que o leite materno oferece são os anticorpos, que fortalecem o sistema imunológico do bebê. Além de diminuir em 13% o risco de mortalidade por causas evitáveis em crianças abaixo de 5 anos, a amamentação materna diminui as possibilidades do bebê contrair algum tipo de infecção, seja de ouvido, respiratória, urinária ou gastrointestinal. Também reduz o risco de desenvolver outras doenças na vida adulta.  Para completar, segundo o Ministério da Saúde, o recém-nascido alimentado apenas com o leite materno tende a se recuperar de doenças com mais facilidade.

6

Ajuda no desenvolvimento intelectual

Crianças amamentadas desenvolvem mais rapidamente o cérebro, apresentando melhor desempenho de vocabulário e raciocínio. Isso porque a gordura presente no leite materno é constituída por gorduras de boa qualidade, responsáveis por formar os neurônios da criança, garantindo um melhor desenvolvimento do seu intelecto.

7

Aumenta o vínculo entre a mãe e o filho

Bebês precisam e sentem prazer em sugar, pois estão na fase oral. Além disso, o contato com a pele da mãe e o mamar no peito aumentam o vínculo entre mãe e filho. Este simples gesto deixa o bebê mais calmo, tranquilo e seguro.

8

O leite materno possui doses ideais de ferro e de cálcio

O ferro presente nos outros leites não é suficiente para o bebê, sendo necessária a suplementação. E o cálcio em abundância nos outros leites pode inibir a absorção de ferro, diminuindo ainda mais a presença desse nutriente no organismo do bebê e favorecendo a anemia.

9

Ajuda a mãe a prevenir o câncer de mama

De acordo com o Ministério da Saúde, a cada 12 meses de amamentação, diminui em cerca de 4% o risco da mulher ter um tumor nos seios.

10

Auxilia a mãe na perda de peso e recuperação pós-parto

Além de contribuir na perda de peso da mãe, de acordo com o Ministério da Saúde, amamentar auxilia o útero a recuperar seu tamanho normal, diminuindo o risco de hemorragia e de anemia pós-parto. 

Texto: Centro de Atenção à Saúde
Fontes: Ministério da Saúde / Aleitamento.com